10/30/2008

Mateus 25

A primeira parte deste capítulo contém mais duas parábolas sobre a importância de estar preparados para o julgamento que Jesus trará. Na última parte, encontramos uma descrição do julgamento, e da separação eterna que ele fará entre as ovelhas e os cabritos.
25:1-13
A parábola das dez virgens.
As dez virgens saíram para encontrar o noivo e participar do casamento.
Cinco delas foram bem-preparadas, e levaram azeite para manter as lâmpadas acesas.
As outras cinco não levaram azeite, e as lâmapadas começaram a se apagar na hora que o noivo estava chegando.
As preparadas entraram nas bodas, mas as outras foram rejeitadas.
Devemos vigiar, pois Jesus pode voltar a qualquer hora. Somente os preparados entrarão no descanso eterno que ele oferece.
**Obs.: Nesta parábola, com em várias outras, há uma tendência da parte de muitos comentaristas e teólogos a dar significados especiais a cada elemento da parábola, a usando para ensinar muitas coisas que Jesus não falou. Ao invés de inventar uma simbologia especial nas coisas mínimas da parábola, devemos aprender a lição que Jesus ensinou através dela: "Vigiai, pois, porque não abeis o dia nem a hora."
25:14-30
A parábola dos talentos.
**Obs.: O talento equivale a 6.000 denários. O denário era o valor de um dia de serviço (20:2). Um talento, então, seria o equivalente a aproximadamente 20 anos de salário de um trabalhador. Nesta parábola, até o menor dos três servos recebeu um valor enorme.
O servo que recebeu 5 talentos investiu o dinheiro bem e ganhou mais 5.
Aquele que recebeu 2 talentos também fez bem, e ganhou mais 2.
O terceiro servo escondeu o único talento que recebeu, e não aplicou o dinheiro para ganhar nada para o dono.
Depois de muito tempo, o dono do dinheiro e senhor dos servos voltou.
Ele elogiou os primeiros dois servos e lhes deram cargos maiores.
O terceiro tentou explicar o motivo por não ter investido o dinheiro, mas o senhor dele não aceitou suas desculpas.
Ele tirou o talento deste servo e o deu àquele que já tinha 10.
O servo inútil foi lançado fora, para sofrer nas trevas.
**Obs.: A palavra "talento", depois da época de Jesus, passou a ter um sentido diferente. Entre as definições no Aurélio, encontramos estas palavras: Aptidão natural, ou habilidade adquirida; inteligência excepcional; engenho. Mas, talento nesta parábola é uma unidade de peso que representa um valor monetário. Na parábola, os servos já tinha capacidade (25:15), e receberam do senhor deles os talentos. Entendido assim, esse aspecto da parábola representa nossas responsabilidades (dadas por Deus de acordo com nossa capacidade). Devemos cuidar bem dos deveres e das oportunidades que Deus nos concede.
25:31-46
Jesus encerra este ensinamento com uma descrição do julgamento. Devemos observar vários pontos importantes:
Há um julgamento de todos, os bons e os maus (compare João 5:28-29, onde Jesus afirma que todos serão ressuscitados na mesma hora).
Há uma separação baseada nas coisas feitas durante a vida aqui (veja 2 Coríntios 5:10).
Jesus enfatiza nessa parábola a importância de atos de bondade e caridade (veja Tiago 2:14-17, onde a fé é ligada à caridade).
Quando fazemos algo para um dos pequenos servos de Jesus, estamos fazendo para ele.
Jesus ensinou, no mesmo versículo, que existe vida eterna e castigo eterno. Mesmo assim, existem falsos mestres hoje que ensinam a vida eterna e negam o castigo eterno. O próprio Jesus afirmou que existe o céu, e que existe o inferno.

3 comentários:

  1. Esta parabola é uma bênção....
    Temos q verdadeiramente ta atento como as 5 virgens prudentes,porq a qualquer momento a trombeta pode tocar.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. DEUS É FIEL E A SUA PALAVRA É VERDADEIRA, SERÁ DIFÍCIL O DIA DO ARREBATAMENTO PARA OS QUE ESTÃO DESPERCEBIDOS. JESUS ADVERTIU, VIGIAI PORQUE NÃO SABEIS A HORA EM QUE O VOSSO SENHOR VOLTARÁ.

    ResponderExcluir

Deus Abençôe